Resenha | O Círculo - Dave Eggers

Autor: Dave Eggers
Ano: 2014
Páginas: 528
Editora:  Penguin
--------------------------------
Ano: 2014
Páginas: 528
Editora: Companhia das Letras
Nota:
Um dos temas mais recorrentes na internet é a privacidade e o oversharing (compartilhamento exagerado de informações). É cada vez mais comum ter relacionamentos que se definem pela troca de likes em uma postagem, compartilhar informações em troca de recompensas ou para ter mais popularidade em uma comunidade. Porém as pessoas não se preocupam com o que pode ser feito com essas informações e em como mais tarde elas podem afetá-las. Com isso em mente O Círculo nos mostra um mundo que pode ser pior que muita história de terror.

O Círculo é uma empresa de tecnologia que ficou mundialmente famosa por criar o TruYou, uma rede social que unificou todos os perfis de todos os usuários da internet acabando com o anonimato na rede, (imagine seu perfil do Facebook,  mesclado com o cadastro da faculdade, do banco, da academia, do trabalho e tudo está disponível para consulta.) e com isso se tornou o lugar do emprego dos sonhos para qualquer pessoa da área de tecnologia. A empresa nos é apresentada pelos olhos de Mae Holland, recém contratada e fascinada por tudo o que o Círculo produz.

Mae começa a trabalhar no departamento de experiencia do cliente e já no primeiro dia é orientada a a migrar praticamente toda a sua vida online para os serviços oferecidos pela empresa, além de ter que manter socialmente ativa nos eventos oferecidos e nas discussões mantidas nos milhares de fóruns, garantindo assim uma boa posição no rank de participação. Conforme o tempo vai passando, Mae vai entrando ainda mais na filosofia de vida do Círculo, compartilhando muito mais do que apenas pequenos lampejos do seu dia e conforme fica mais ativa na comunidade mais se afasta de sua família e amigos.

Logo após a contratação de Mae, o Círculo lança o SeeChange (uma pequena câmera que pode ser acessada por qualquer pessoa através da internet), com a proposta de espalhá-las pelo mundo afim de que as pessoas possam experienciar qualquer coisa sem quaisquer barreiras (como por exemplo ver o que está acontecendo no topo do monte Everest) e para reduzir a criminalidade, levando a população a implantar uma política de transparência, já que lemas como: "segredos são mentiras", "privacidade é roubo" e "compartilhar é cuidar" passam a ser utilizados pelo Círculo.

Quando eu terminei esse livro fiquei tão impactada pela história, que minha vontade foi de excluir todas as minhas redes sociais e sumir do mundo, além de se questionar se estava seguindo os passos da Mae (mesmo que lentamente). Conforme a leitura avançava vinha um sentimento de sufocamento, agonia e uma vontade louca de entrar no livro sacudir a Mae e dizer pra ela parar de ser tão ingênua em relação ao Círculo. Aliás não só a Mae, mas toda a sociedade retratada, que ficou tão maravilhada com um mundo cheio de facilidades que não questiona as consequências ao utilizá-las, causando uma das cenas mais angustiantes do livro.
Outra coisa que me deixou bem preocupada foi que conforme vai sendo apresentada aos diversos meios de se manter "social", Mae vai adquirindo vários monitores que vão sendo adicionados em sua mesa de trabalho, chegando ao ponto de ela ter mais ou menos uns 6 monitores! Automaticamente me imaginei nesse cenário e pensando em como é possível não enlouquecer com tanta informação, mas logo cheguei a conclusão de que isso já é uma realidade, pois hoje em dia dividimos a tela da TV em várias micro telas com o uso das SmartTvs, dividimos a tela do celular com vários apps que rodam ao mesmo tempo e a ideia de ter um computador com dois monitores já está virando comum.

O Círculo é aquele livro que te faz ir além dele, a história não acaba depois da último ponto final, ao fechá-lo você continua a pensar na história, em como ela pode deixar de ser ficção e se tornar realidade ou em como ela já faz parte da nossa realidade e isso é o que o torna assustador.

0 comentários:

Deixe seu comentário