Evento | FLIPOP 2018

Depois da maravilhosa primeira edição a Editora Seguinte ouviu nossos apelos e fez uma SEGUNDA EDIÇÃO DA FLIPOP!!! O evento aconteceu nos dias 29, 30 de Junho e 1 Julho e conseguiu superar (e muito) a edição passada do festival.

Pra começar esse ano o evento não foi realizado apenas pela Editora Seguinte, mas sim em conjunto com mais outras nove editoras, o que resultou em três dias de evento e ele ter sido transferido para o centro de convenções Frei Caneca (que além de maior e mais bem localizado que da última vez, é dentro do shopping e tinha desconto na praça de alimentação para quem estava participando da FLIPOP \o/). Porém mesmo o evento tendo crescendo, ele manteve a  proposta inicial e continuou com o clima de aproximar leitores dos escritores e de que todo mundo ali é amigo mesmo sem nunca ter se visto antes.

Com o crescimento do evento a agenda de conteúdos foi praticamente triplicada. Com duas salas e com painéis acontecendo ao mesmo tempo, acompanhar a programação virou uma questão de saber definir prioridades (mas mesmo assim graças a Deus consegui ver praticamente todas as palestras que eu queria). Os temas abordados foram incríveis e falavam sobre representatividade, dicas de escrita, como é o mercado editorial e o impacto da literatura YA.
No sábado não fiquei muito tempo e vi dois paineis. Um sobre os horizontes do YA com a Claudia Fusco, Mayra Sigwalt, Jim Anotsu e Bruna Miranda, onde foi discutido sobre como o YA é visto no mercado literário, (pois aqui no Brasil  ele visto bem mal apesar de vender bem, ao contrario dos EUA onde é visto com bons olhos e está com constante crescimento) e o que eles acham que o YA vai se tornar no futuro. 

Já o outro foi um bate papo maravilhoso com o Jeff Zentner, um dos autores internacionais que a Seguinte trouxe, e que foi muito engraçado e emocionante, pera deixa eu explicar. O Jeff é o escritor de Dias de Despedida, um livro que fala sobre o luto então muito foi discutido sobre isso: como foi escrever um livro com esse tema, como ele lhe dá com o luto e sobre a relação entre os personagens. Também foi discutido sobre a rotina de escrita dele (ele escreve os livros no celular indo pro trabalho!), livros futuros, sua relação com a música e sobre como ele estava se sentindo ao voltar para o Brasil (porque ele já morou aqui a uns vinte anos atrás e sabe falar português).
No Domingo vi os painéis "O que a fantasia diz sobre o nosso mundo" e o "Meu ship naufragou". No primeiro participaram Felipe Castilho, Eric Novello, Fernanda Nia e Lavínia Rocha e foi abordado sobre como os acontecimentos do cotidiano afetam a literatura fantástica e como os autores traduzem o que estão vivendo para o mundo que estão criando. Tudo que foi falado foi fantástico, mas uma coisa que me chamou a atenção foi a Fernanda dizendo que já temos vilões ótimos no mundo real e que não há a necessidade de criar novos e com essa frase eu já fui lembrando de como o livro do Eric o "ninguém nasce herói" onde o vilão é algo que conhecemos muito bem.

O segundo painel foi bem mais descontraído e foi sobre um tema que todos adoramos: ships. Nele participaram Bruna Fontes, Frini Georgakopoulos, Mel Geve e Iris Figueiredo e elas falaram sobre os ships que amam, os ships que não suportam, e principalmente como escrever um bom ship. E eu fiquei bem surpresa ao descobrir como era o casal do livro Proibido, pq até então eu não tinha parado pra ler a sinopse dele, mas quando falaram sobre ele na mesa eu fiquei COMO ASSIM?  
Mas nem só de painéis incríveis vive a FLIPOP. A Blocks ficou com o posto de livraria oficial do evento (mas infelizmente os preços dos livros continuaram absurdamente caro), a plataforma 21 tinha uma mesa cheia de marcadores e que durante alguns horários definidos eles tinham livros para dar (eu perguntei uns três vezes pra mulher pra confirmar que eles estavam dando os livros), a editora Hoo estava divulgando seus livros e aplicando tatuagens temporárias, a editora morro branco estava divulgando seus livros e comandando uma roleta com prêmios e é claro a tão famosa cabine fotos.

Dessa vez tivemos dois estandes sobre mystery boxes: o Turista Literário, que além da divulgação trouxeram caixas passadas para venda, e a Livros & Citações, que eu não conhecia e que me deixou bastante curiosa pois é possivel escolher a o tema da caixa e a quantidade de itens que vem nela.

E como se não bastasse tudo isso a editora Seguinte ainda estava distribuindo ARCs de "A Graça e Fúria" para as primeiros vinte e cinco pessoas. Eu fiquei mega feliz com isso (apenas de não ter pego nenhum) porque  quem sabe num futuro a FLIPOP consiga distribuir várias de várias editoras e a gente saia de lá igual nos eventos gringos, com um pilha cheia de livro gratis #Sonho. 

Depois de ter visto o bate papo com o Jeff, fiquei ainda mais apaixonada por esse ser humano e é claro que fui atrás dele para pegar um autografo. Foi engraçado conversar com ele porque meu cérebro ficava me dizendo pra falar em inglês, mas com ele respondendo em português eu ficava confusa e sai enrolando as duas línguas HAHAHHA. Ele foi a coisa mais fofa do mundo me pedindo desculpas quando eu disse que chorei horrores com o livro e ficando radiante quando eu disse que o português dele é perfeito, mesmo sem usa-lo por vinte anos ^^. 

Da Morgan eu só conhecia o título dos livros (shame on me HAHAHHA), mas após ver o bate papo dela também fiquei apaixonada, até porque quem não vai amar uma autora que diz que seu processo de escrita é 90% procrastinação e 10% escrever tudo em 3 dias antes do prazo? HAHAHHA. Como eu não tinha nenhum livro dela, pedi para autografar minha credencial e disse a ela que ia ler toda a série o mais rápido possível para reparar o meu erro.

Foram dois dias incríveis que eu espero que se repitam por vários anos, até porque já está na minha agenda de eventos anuais que eu não posso deixar de ir.

PS. Dica pra FLIPOP 2019: Se tiver balões com as letras da FLIPOP novamente por favor colem os eles na parede dos paineis! HAHAHHAHA

Bienal do Livro 2018 - Prepare-se!


 Só percebemos que o tempo está passando rápido, quando a gente vê que já é ano de Bienal Internacional do Livro de São Paulo, isso porque eu nunca tive a oportunidade de ir na do Rio de Janeiro, de qualquer forma vamos falar de coisa boa: É ano de Bienal galera!


A campanha desse ano é "Venha Fazer esse Download de Conhecimento" que tem como objetivo de trazer a discussão sobre o papel dos livros no meio de toda essa mudança do mundo digital. 

A ideia é mostrar que, apesar dessas mudanças culturais no País, o livro, em seus diversos formatos, é o agente essencial do processo de conexão entre o conhecimento e o universo digital no qual vivemos.

O evento irá ocorrer entre os dias 3 e 12 de agosto e como sempre teremos palestras, bate-papos, experiências culturais e o que mais gostamos venda de livro e possibilidade de autografar o nossos livros!

Falando em autógrafos, esse ano temos já confirmados:

  • A. J. Finn - Livro "A Mulher na Janela"
  • Charlie Donlea - Livros "A Garota do Lago" e "Deixada para trás"
  • Victoria Aveyard - Série "A Rainha Vermelha"
  • Soman Chainani - Série "A Escola do bem e do Mal"
  • Yoav Blum - Livro "Os criadores de coincidências”
  • Marissa Meyer - Série "As Crônicas Lunares" e "Sem Coração" 
  • David Levithan - Livros "Todo Dia" e "Will & Will: Um nome, um destino"
  • Tessa Dare - Séries Spindle Cove" e "Castles Ever After"


Esses são só alguns autores internacionais que já foram confirmados e claro que vamos ter vários outros autores nacionais. Como estamos na "reta" final já estão sendo liberado aos poucos a senhas para pegar os autógrafos com os autores. Confira como conseguir nesta página.

Para mais informações sobre local, ingressos e programação você pode acessar o site da Bienal do Livro.

Se tudo der certo estarei em ambos os finais de semana do evento, então se quiser conferir ou me encontrar lá só seguir o Instagram do blog




Unboxing | Turista Literário - Dezembro e Janeiro

Oi gente, sei que ainda estou atrasada com os posts de unboxing, mas pelo menos a já tem caixinha desse ano XP.
DEZEMBRO

Dessa vez eu nem precisei olhar a dica no site pra saber para onde iria nesse mês, já que esse livro estava sendo tão falado na época que quando abrir a caixa soltei um lindo "Nossa estou muito surpresa" hahhahaha. Esse mês fomos para Nashville (e como boa fã do Paramore, surtei horrores ^^) para acompanhar Carver nos dias de despedida para seus amigos.
Sinopse: "Cadê vocês? Me respondam."
Essa foi a última mensagem que Carver mandou para seus melhores amigos, Mars, Eli e Blake. Logo em seguida os três sofreram um acidente de carro fatal. Agora, o garoto não consegue parar de se culpar pelo que aconteceu e, para piorar, um juiz poderoso está empenhado em abrir uma investigação criminal contra ele.
Mas Carver tem alguns aliados: a namorada de Eli, sua única amiga na escola; o dr. Mendez, seu terapeuta; e a avó de Blake, que pede a sua ajuda para organizar um “dia de despedida” para compartilharem lembranças do neto.
Quando as outras famílias decidem que também querem um dia de despedida, Carver não tem certeza de suas intenções. Será que eles serão capazes de ficar em paz com suas perdas? Ou esses dias de despedida só vão deixar Carver mais perto de um colapso — ou, pior, da prisão?

O item de olfalto/tocar é um sabonete líquido (imitando um ketchup) com perfume de madressilva, homenageando a trupe do molho, que é como o grupo de amigos do Carver se chama. O aroma de madressilva foi escolhido porque tem um significado muito especial para o personagem principal. O outro item de tocar (e na minha opinião um dos melhores brindes que já veio na mala) é um copo da sorveteria Bobbie's Dairy Dip, que é onde o Carver e seus amigos iam sempre para tomar Milkshake e pasmem esse lugar existe na vida real!! Depois que descobri isso fiquei com vontade de ir lá com esse copo e pedir um milkshake diferentão HAHAAHHA

O souvenir desse mês é um porta livro com ilustrações e um frase bem marcante do livro. O que eu adorei sobre ele é que é bem grandinho e dá pra levar livros bem grandes (tipo 600 páginas) sem nenhum problema e ainda levar canetas e marcadores ^^

JANEIRO

Começamos o ano de 2018 viajando para a Terra dos Rios, onde em A Canção das Águas, somos guiados por Carô em uma aventura cheia de piratas, monstros e onde os deuses podem ser bem mais do que apenas lendas. Quando eu abri a caixa e vi esse livro comecei a rir, pois vir um livro com relação a água em Janeiro, que é o mais que mais chove no país, foi uma boa sacada ^^
Sinopse:Caroline Oresteia é destinada às águas. Geração após geração, sua família recebe o chamado do deus do rio, que guia a s embarcações por viagens infindáveis através das Terras dos Rios. Assim, a jovem passou a vida esperando finalmente ouvir seu chamado. Porém, passaram-se 17 anos e o deus do rio ainda não sussurrou seu nome – e se ele ainda não o fez, existe a chance de jamais fazê-lo.
Quando o pai de Carô é preso por se recusar a transportar uma carga misteriosa, ela decide então tomar o destino nas próprias mãos. Concordando em entregar tal carga em troca da libertação do pai, Carô se vê presa numa rede de intrigas políticas, piratas perigosos e… paixão. Definitivamente, a carga que está transportando está bem longe de estar segura. Como lidar com tudo isso sem a ajuda do deus do rio?
Nesta aventura, Carô precisará escolher entre a vida que sempre quis e uma outra, nova, que jamais imaginou para si.
Mergulhe n’A canção das águas, fantasia ricamente elaborada por Sarah Tolcser, e desbrave novos caminhos. Respire fundo: este é só o começo da jornada.

O item de cheirar/tocar é um aromatizante com cheiro amadeirado, para nos fazer sentir como se estivéssemos juntos de Carô e seu pai na Cormorant a balsa que além de um meio de transporte é como uma casa para eles. Além disso ele é no formato de uma garrafa até porque como contar uma história com piratas sem mencionar o Rum?
O item de comer são deliciosos suspiros de vinho (que duraram até o momento que eu tirei essa foto ^^ ), pois a familia por parte de mãe da Carô é dona de uma casa de comercialização e o brasão deles é um barril de vinho com 3 estrelas, além de que a bebida é muita citada na história.

Ecobags nunca são de mais não é mesmo?  E o Souvenir dessa viagem é essa coisa linda com o mapa da Terra dos Rios e outros elementos bem importantes pra gente não se perder durante essa viagem.


E aí gente quais das caixas vocês gostaram mais?